UMA DIVA (E INFLUENCER) DE 100 ANOS

Share on facebook
Share on google
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Iris Apfel é uma influencer do Instagram. Seus óculos gigantescos, estilo extravagante e espírito irreverente conquistaram quase dois milhões de seguidores e a hashtag #IrisYourCloset tem mais de  11 mil publicações. 

Iris é uma centenária:  completou 100 anos no dia 30 de agosto. Mas ela é muito mais do que isso. Envolvida com moda desde a universidade, tornou-se um ícone do setor e seus tecidos para decoração de interiores estiveram na Casa Branca durante as gestões de nove presidentes dos Estados Unidos. Já foi homenageada pelo Metropolitan Museum of Arts e foi tema de documentário.

Iris é, também, uma inspiração para a vida. Se mantém extremamente ativa,  é fiel ao seu estilo e personalidade e recusou fazer grandes mudanças que  a  colocassem no papel tradicionalmente imaginado para os idosos. Não saiu de cena, não tornou-se recatada, não vestiu o figurino de “senhora discreta e respeitável”. 

Como ela mesma lembra, não está fazendo nada muito diferente do que fazia há 50 anos, ou seja, continua desafiando preconceitos, lançando moda e, o mais importante, se mantém no comando de sua vida.

Ela mostra que o envelhecimento ativo engloba saúde física, mental e emocional, mas, principalmente, protagonismo na própria vida. Se a sociedade tenta apagar a individualidade do idoso e colocá-lo em segundo plano, Iris contesta com sua imagem e presença nas redes sociais. É impossível colocar uma figura tão autêntica numa caixinha.

Iris, porém, faz tudo isso porque tem uma imagem consolidada e muita coragem. Quantas Iris já não apagamos com as convenções sociais e o etarismo? Quantos ícones como ela, que serviriam de exemplo e inspiração para milhares de mulheres, calaram-se e “entraram no armário” da velhice para evitar o rótulo de #véiadoida? É até doloroso ver quantas vezes essa hashtag já foi usada nas mesmíssimas mídias que glorificam Iris.

Construir, de verdade, uma sociedade inclusiva dói. Nos faz perceber nossos preconceitos, rever nossas piadas que machucam, respeitar e aceitar o outro, seja quem for, com a idade que for e do jeito que for. Sobretudo, nos leva a reconhecer nossos privilégios e abrir espaço para que todos vivam plenamente sua verdade e desenvolvam seu potencial. 

Que os 100 anos deste ícone inspirem mais idosos a sair das caixinhas e ocupar seus espaços na sociedade. E vida longa para você, Iris!  

cylene-souza-envelhecimento

Autora: Cylene Souza

Sou jornalista há 17 anos e mestre em Ciência, Tecnologia e Sociedade pela Universidade de Viena. Especializada em Saúde, busco agora debater os desafios que enfrentaremos para construir um mundo mais justo, inclusivo e sustentável, levando em conta a mudança de perfil etário da população, aqui e no blog Dilemas da Longevidade.

Você pode falar comigo por e-mail: cylene@desafiosdalongevidade.com.br

Imagem: Licença Creative Commons

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

By 8 Arroba