Trate seu idoso como deseja ser tratado

Share on facebook
Share on google
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Desde pequena sempre ouvia meus pais dizerem: “não faça aos outros o que você não quer que façam a você”! Refletindo sobre essa orientação e em analogia ao modo como vejo alguns filhos tratando seus pais e confesso que muitas vezes eu mesma em relação aos meus, percebo quão ditador nos tornamos diante dos envelhecentes!

Torna-me claro, que estamos despreparos para lhe dar com essa fase. Ecoamos a todo tempo frases como: “Tirou o tapete? Tomou o remédio? Por que não me ligou? Isso é perigoso! Atende ao telefone!”, marcou o médico?”

A Sensação é de que o amor nos cega e passamos a ignorar que são seres como nós: que desejam, que sonham, que tem história, que tem suas competências, seus compromissos, manias, outros interesses e ALMA.

Explode um paternalismo desmedido, movido pelo medo da perda, do acidente doméstico, que nos torna um trator…. Passando por cima das pessoas que nos geraram, como se elas fossem uma folha em branco ou uma criança que precisa ser educada e levada no colo o tempo todo.

É claro, que poderá chegar o momento em que talvez tenhamos de carregá-los no colo mesmo e o faremos com todo amor…. se assim tivermos a oportunidade e a possibilidade. Mas até lá…. e pensando como não gostaria de ser tratada como um ser em morte eminente, nem um incapaz é que acredito que precisamos transformar esse amor em mais escuta e mais  RESPEITO às escolhas de cada um, em qualquer idade!

Acho que não temos o direito e com certeza é um erro tirarmos a autonomia dos nossos envelhecentes! Em 2050 o IBGE estima que os idosos sejam quase um terço da população brasileira.

Eu serei uma delas e planto hoje o modo como gostaria de ser tratada. É fato que precisamos nos preparar. Mudar os paradigmas, nos despirmos dos pré- conceitos sobre o idoso, trabalhar na compreensão dos comportamentos dos novos idosos, no desenvolvimento de políticas sociais, de saúde, de trabalho, capacitação ampliando oportunidades e o espaço para um envelhecer com qualidade, dignidade, alegria e VIDA.

 

Luciene Carvalho M. Giusti

Assessora Executiva da ASAP / Fundadora do Tempo de Viver Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

By 8 Arroba