Sintomas mais comuns que afetam a qualidade de vida do paciente paliativo

Share on facebook
Share on google
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Confira os sintomas mais comuns que afetam a qualidade de vida do paciente paliativo, novo artigo de Jacob Katz

Dor

A dor é um sintoma subjetivo e pessoal. Perceptível quando o paciente o relata.

É uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada a danos reais ou potenciais aos órgãos e tecidos do corpo humano. A dor é um dos principais fatores que afetam e prejudicam a qualidade de vida do paciente que tende a morrer.

Podemos classificar a dor em dois tipos:

Dor aguda: temporária, que aparece por um curto período de tempo, causando alterações no ritmo cardíaco e respiratório.

Dor crônica: dura um período de tempo prolongado, pode desaparecer e aparecer frequentemente, as vezes sendo muito difícil identificar o motivo de sua origem.

Os objetivos do tratamento da dor, podem ser elencados:

  • Melhorar a qualidade da vida do paciente oferecendo-lhe conforto.
  • Prevenir o sofrimento e ajudar o paciente a ter uma vida diária normativa, quanto o possível.
  • Acalmar o paciente e reduzir qualquer fator que cause estresse.

 

Depressão:

Deterioração do funcionamento psíquico, acompanhada por sentimento de tristeza, desamparo, autodesvalorização ou culpa.

A depressão, afeta assim, o funcionamento físico e mental do paciente prejudicando o transcorrer de sua vida diária.

Existem alguns sintomas que podem nos ajudar a identificar uma situação depressiva, são eles:

  • Falta de interesse e prazer, acompanhado de tristeza e mau humor.
  • Solidão, falta ou excesso de apetite.
  • Fadiga, falta de energia, falta ou excesso de sono.
  • Falta de concentração.

Se esses sinais aparecem no paciente, a equipe medica deve ser informada imediatamente, para diagnosticar e se preciso tratar do sintoma.

 

Constipação, diarreia, náuseas e vômitos, falta ou diminuição drástica de apetite.

As possíveis causas de problemas gastrointestinais durante o tratamento paliativo podem ser: tratamentos quimioterápicos, radioativos e hormonais, e diferentes tipos de medicamentos

Outras possíveis causas para a constipação, são, a falta de líquidos e mudanças de hábitos alimentares, enquanto que a diarréia, pode ser causada ainda por infecções.

Outros motivos para vômitos e náuseas, podem ser, desidratação e problemas no sistema digestível, enquanto que a falta de apetite pode decorrer também de vômitos e náuseas, dificuldades para engolir e mudanças de gostos e cheiros.

Aconselhamos em quaisquer destes casos, relatar imediatamente a equipe médica para diagnóstico e tratar os sintomas.

 

Problemas de insônia, fadiga e cansaço.

Problemas e mudanças no habito de sono, podem ser causados por diversos motivos, como dor, ansiedade, preocupação e depressão. É muito importante abordar no tratamento, a falta de sono, mas também, o fator que causa o problema. Uma boa noite de sono, ajudará na melhora da qualidade de vida durante o dia.

Já o cansaço, pode ser causado justamente pela falta de sono, mas também, por, anemia e efeitos colaterais de medicamentos.

A fadiga por sua vez, vem acompanhada de sensações como uma vontade constante de dormir ou deitar, falta de ar com pouco esforço físico e dificuldade para pensar e tomar decisões.

É aconselhável assim, evitar executar atividades em excesso ou além da capacidade física e descansar constantemente.

 

Problemas respiratórios

A dificuldade em respirar, é um dos sintomas mais graves durante o tratamento paliativo. Este problema pode ser causado por diversos fatores:

  • Acumulo de fluidos no corpo.
  • Estreitamento das vias respiratórias
  • Excesso de muco.

Para cada fator, um tratamento diferente a equipe médica utilizará. Em todos os casos porém aconselhamos também: usar o balão de oxigênio, sentar o paciente, abrir as janelas e ligar um ventilador no recinto em que se encontra o paciente.

 

Pele do corpo seca e com rachaduras, inchaços e edemas

Lubrificar a pele com óleo ou creme hidratante, se por acaso se formarem bolhas, elas não devem ser abertas e sim consultar o seu medico.

Já os inchaços e edemas, podem resultar de uma serie de fatores: reações a medicamentos, baixo teor de proteína no sangue e acumulo de fluidos no corpo. Nestes casos e possível se aconselhar com a equipe médica. Tratamentos nestes casos geralmente são: enriquecimento de proteínas na dieta, bandagens com gazes elásticas.

 

Queimaduras, vermelhidão e dores nos membros superiores e inferiores

Esses efeitos podem ser causados por tratamentos radiativos, dermatites e restrições de movimento.

Cabe a equipe médica o diagnostico e o tipo de tratamento a ser utilizado, em todo caso recomendamos manter a higiene rigorosamente, secar a pele depois de lava-la e lubrificar depois do banho.  Se possível for, mover os membros para o sangue fluir para as extremidades.

 

Delírios

O delírio, é uma resposta comportamental a distúrbios generalizados no metabolismo cerebral.

O fenômeno se manifesta em uma diminuição repentina no nível de funcionamento cerebral, causando assim uma grande confusão no doente.

Esse fenômeno, perigoso e comum, as vezes vem anunciar o fim da vida do paciente. Possíveis causas do sintoma: hipóxia, desidratação, baixos níveis de glicose no sangue e outros.

 

Enfim, durante a progressão da doença e dos tratamentos ligados a mesma, haverão consequências para todos os sistemas funcionais do corpo. Geralmente são os sintomas que se manifestam, são os acima citados, sua gravidade, varia de pessoa para pessoa e depende da progressão da doença e da capacidade do corpo do paciente em lidar com as mudanças que estão ocorrendo com ele.

 

Na próxima parte desta série, encerraremos o assunto. Abordaremos assuntos importantes como: Qual a função dos membros da família neste processo e quais são as suas necessidades?

Quando  o fim chegar, o que fazer? Como se despedir em paz?

Todas as informações contidas neste texto, estão na apostila de tratamento paliativo da empresa que trabalho, Amal Group Israel, e foram escritas pela nossa Enfermeira responsável pelo setor de tratamento paliativo a Sra. Hanna Sulimani Beshara. Como nas partes anteriores estou tentando ser simplesmente um tradutor fiel de suas ideias.

As informações contidas neste texto, não servem em hipótese alguma, como substituta para uma consulta com seu médico particular.

Para qualquer pergunta ou dúvida, estamos a disposição através da equipe do Somos 60+.

Ate a próxima!

Você gostaria de tirar outras dúvidas? Deixe nos comentários!

Conheça a série de artigos para tratamentos paliativos, escritos por nosso Colunista:

O tratamento paliativo e sua influência na qualidade de vida do paciente

Dúvidas que surgem no tratamento paliativo

 

Autor: Jacob Katz

Jacob, 53, brasileiro, vive em Israel.

Formado em economia pela Universidade Federal de Pernambuco e Mestrado em Gerenciamento de Clínicas Geriátricas pela Universidade de Tel Aviv.

Formado em Palhaçoterapia para idosos e Instrutor de yoga do riso. Trabalha com a terceira idade há 20 anos e desde 2008 dirige projetos na Amal Group, a maior empresa de serviços para o idoso em Israel.

Créditos de imagem para: rawpixel.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

By 8 Arroba