O tratamento paliativo e sua influência na qualidade de vida do paciente

Share on facebook
Share on google
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

“Você é importante, porque você é você! Você é importante até o seu último segundo!

Faremos tudo, para que você possa morrer em paz, e que você viva até morrer.”

Dr. Cecil Sounders

 

O que é o tratamento paliativo? Quais são os seus objetivos? Quais são as diferentes situações enfrentadas no decorrer deste tratamento?

A doença incurável, que ameaça a vida, requer uma grande mobilização de forças, interior e psicológica, para enfrentar os obstáculos existentes tanto para o paciente, quanto para seus familiares e parentes queridos, que sentem e suportam um grau extremo de estresse e aflição. O principal objetivo do tratamento paliativo, é acompanhar e ajudar o paciente e sua família ao longo de todo o caminho, para proporcionar um tratamento adequado com dignidade e compaixão.

 

O que é o tratamento paliativo?

O tratamento paliativo, e uma abordagem terapêutica e abrangente que visa melhorar a qualidade de vida e proporcionar conforto tanto para o paciente, quanto para seus familiares.

O objetivo principal é aliviar ou até mesmo prevenir seu sofrimento, proporcionando assim a continuidade da vida com dignidade, preocupando-se também em cuidar de sinais e sintomas adicionais que vão surgindo com o avançar do processo de tratamento.

A abordagem paliativa, vê a morte como um processo natural, e não se destina a acelerar ou retardar este processo. Os cuidados de suporte médicos e sociais, são prestados por uma equipe multidisciplinar que inclui, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, assistentes sociais e cuidadores.

Os exemplos mais comuns de doenças incuráveis são:

  • Câncer em estágios avançados.
  • Insuficiências renais, coronárias e digestivas.
  • COPD (enfisema e fibrose pulmonar)
  • Demência e doenças neurodegenerativas (ALS, Parkinson, Alzheimer…)

Quais são os objetivos do tratamento paliativo?

  • Respeitar os objetivos, escolhas e preferências do paciente.
  • Equilibrar e aliviar dores e sintomas no processo de tratamento.
  • Integrar aspectos físicos, mentais e espirituais no atendimento ao paciente.
  • Não visa acelerar ou retardar a morte do paciente.
  • Permitir uma vida ativa, o quanto for possível, até a morte do paciente.
  • Ajudar aos familiares lidar com a situação de dor, apreensão e incertezas.
  • Proporcionar qualidade de vida e melhorias no curso da doença.

No próximo capítulo, escreverei sobre perguntas e dilemas no tratamento paliativo, comunicação e atitudes calorosas durante o processo e nutrição. As informações estão expostas no livreto para tratamento paliativo da empresa que trabalho, Amal Group Israel.

As instruções foram escritas pela minha colega de trabalho, a excelente enfermeira de profissão e compaixão A Sra. Hanna Sulimani Beshara.

As informações por nós prestadas não são substitutas de sua consulta com seu médico.

 

Autor: Jacob Katz

Jacob, 52, brasileiro, vive em Israel.

Formado em economia pela Universidade Federal de Pernambuco e Mestrado em Gerenciamento de Clínicas Geriátricas pela Universidade de Tel Aviv.

Formado em Palhaçoterapia para idosos e Instrutor de yoga do riso. Trabalha com a terceira idade há 20 anos e desde 2008 dirige projetos na Amal Group, a maior empresa de serviços para o idoso em Israel.

Créditos de imagem para: artursafronovvvv – br.freepik.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

By 8 Arroba