Em 20 anos número de idosos nos planos de saúde duplicou

Share on facebook
Share on google
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Publicação aponta salto de 3,3 milhões, em março de 2000, para 6,6 milhões em março de 2020

O Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) produziu o “Panorama dos idosos beneficiários de planos de saúde no Brasil”, publicação que apontou que em março deste ano havia 6,6 milhões de idosos com planos de saúde de assistência médico-hospitalar no país, representando 14% do total de beneficiários da saúde suplementar e 22% da população brasileira idosa.

Entre março de 2000 (início da divulgação dos dados) e março de 2020 (dados mais recentes disponíveis), o número de idosos duplicou, de 3,3 milhões para 6,6 milhões, o equivalente a um aumento de 102,9%. Por tipo de contratação, o grande salto do número de idosos em planos coletivos, especialmente daqueles vinculados a planos empresariais que chegaram a quintuplicar em duas décadas (de 537 mil para 2,7 milhões, isto é, um crescimento de 397,2%). Nesse período, aponta-se também forte crescimento em planos coletivos por adesão (aumento de 254,2%) e individuais (acréscimo de 218,9%).

Ao comparar com o crescimento do número de total de beneficiários em planos coletivos empresariais, verifica-se que esse também chegou a quintuplicar entre março/2000 e março/2020, de 6,1 milhões para 31,8 milhões (crescimento de 424,9%). Ou seja, o crescimento dos idosos em planos empresariais acompanhou o aumento do número total de beneficiários nesse tipo de plano. Destaca-se que idosos em planos coletivos empresariais representavam 7% do total desses planos em março/2000 e 5% em março/2020.

De acordo com o superintendente executivo do IESS, José Cechin, a publicação é uma poderosa ferramenta para auxiliar o setor a criar programas específicos para melhorar a assistência desses pacientes. “O aumento da longevidade da população é, sem dúvida, muito positivo e uma grande conquista da medicina e da sociedade”, disse Cechin.

Em números

Dos 6,6 milhões de vínculos, 3,9 milhões (ou 60%) eram do sexo feminino e 2,7 milhões (40%) do masculino; 4,1 milhões (63%) estavam em planos coletivos e 2,5 milhões (37%) em planos individuais ou familiares; 2,5 milhões (37%) estavam em cooperativas médicas, 2,4 milhões (36%) em medicinas de grupo, 1,1 milhão (17%) em autogestões, 527 mil (8%) em seguradoras e 166,2 mil (3%) em filantropias; 3,5 milhões (52%) tinham entre 60 e 69 anos, 2 milhões (30%) entre 70 e 79 anos e 1,2 milhões (18%) com 80 anos ou mais, e 4,2 milhões (63,5% ou três em cada cinco) estavam nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Mudança

Segundo o IESS, os números mostram, claramente, uma significativa mudança na composição etária dos planos de saúde, reflexo de alterações da sociedade. De acordo com o superintendente executivo, é fundamental que não só o setor privado, mas todo o segmento de saúde do Brasil entenda que isso traz profundas alterações e especificidades da assistência para essa população.

“Para se ter ideia, entre os planos da modalidade de autogestão, com beneficiários normalmente mais idosos, o índice de envelhecimento cresceu de forma acelerada a cada ano e atingiu 163,4% em março de 2020, o que acende uma luz de alerta para todo o segmento”, comenta Cechin. O índice de envelhecimento mede a relação entre o número de idosos (60 ou mais anos de idade) e o número de jovens (menores de 15 anos), vezes 100, ou seja, valores elevados indicam que a transição demográfica está em estágio avançado.

O “Panorama dos idosos beneficiários de planos de saúde no Brasil” traz além da evolução do número de vinculados aos planos médico-hospitalares, a distribuição percentual por faixa etária, índice de envelhecimento, razão de dependência, adesões, cancelamentos e migração em um período de 20 anos.

Acesse a publicação na íntegra aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

By 8 Arroba